Geração

Hino em ego à dívida eterna de um ex-terno cidadão

Sentar sem ar na praça que passa
pernas coloridas
calor da vida
coloração
coroar a cor
co-or
coração

urgente preciso
correr senão quê
se quê não consigo
não pago a TV

contemplo o riacho
e rio do aço
tietê sem andrades
noturno sem mários
horizontes sem mar
sinal de esperar
atrás do espelho
lá sim que era vida
não tinha uma dívida
nem dor no joelho

urgente preciso
correr senão paro
se paro não chego
não pago meu carro

resvalo no vale
nos ramos da praça
paris nas estátuas
se eu fosse mais jovem
viajava num boeing
vendia meu carro
largava meu posto
ganhava na loto
sonhava algo mais
esquecia das mágoas
criava um slogan
pagava meus juros
jurava ter paz

urgente preciso
correr senão nada
se nada não vôo
não compro minha casa

passeio no paço
eu passo amanhã
prefiro bem cru
receio receio
mas janto a esperança
no seio no seio
no seio do vale
do anhangabaú