Geração

Fragmento de uma carta de amor

FRAGMENTO DE UMA CARTA DE AMOR
CONFESSADO, DEPOIS DO FIM, AO DESCONHECIDO
AMIGO.
ESTE, TENDO ACOMPANHADO, FIEL E SOLÍCITO, A
AVENTURA DO NARRADOR-AMANTE, INCENDEIA A
COMPREENSÃO NAS CHAMAS QUE ATEIA AO
PAPEL.
DESTE SALVA-SE (OU PERDE-SE) A PEQUENA
PONTA QUE O IMPETUOSO VENTO FRIO DA MADRUGADA
ROUBA, PELA JANELA ENTREABERTA, AO DISCRETO
ESPANTO E SILENCIOSA MÁGOA DO
CONFESSOR.
ATIRADO NO REMOINHO DA SORTE, AGITADO PELO
VENDAVAL DO DESTINO, COLA-SE NO CASACO
DESBOTADO E PUÍDO DO NOTURNO
PEREGRINO.
M DE MERCÚRIO, NOSFERATU DO ACASO,
CARREGA NAS COSTAS COMO UM FARDO-ESTIGMA
O ESTIGMA PESADO DE QUEM ERROU POR OUTRO,
INOCENTE.
VICÁRIO DE MUITO AMOR E PLENO DE ABSTINÊNCIA
ESPALHA, ENTRE FANTASMAS CONSUMIDORES
DE TÉDIO A PUBLICIDADE INÚTIL,
ESTILHAÇADAMENTE BREVE DE UMA
ESPERANÇA.

do outro lado
intimidade
nada
máscara
vertigem