Novos poemas

Parlenda II

Na verdade
verdadeira
o que era bom
virou
bombom

o que era mau
virou
jornal

o que era os dois
feij„o
com
arroz