Novos poemas

Playtime

Mais tarde
ninguém volta
cedo
que a hora
que se estende
inerte
entre a espera
a expectativa
e o medo
dura um minuto
e se finge
longa
e com este
engano
se diverte