Novos poemas

Geometria

O ponto é o nó do compasso
no giro aberto para a periferia
fecha e amplia a expansão do espaço
na continuidade discreta entre o fora e o dentro
como a noite alterna e continua o dia
desata e prende o movimento ao centro