Geração

Parábola de mulher

Primeiro os homens
chuparam-lhe as consoantes do nome
depois os mesmos nomes
cegaram-lhe as vogais dos seios

no dia azado em que a morte veio
cheia de estandartes rotos e sem ânimo
para as rituais alegorias de passagem
encontrou-a muda estirada humana
o sexo seco
em meio a ventres esticados de eloqüência

tudo como estava escrito
que assim convém à saciedade anônima